quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Praça do Trabalhador e estação dos CFM

A Praça do Trabalhador (antiga Praça MacMahon), apesar de já não ser o terminus da maior parte dos machibombos que rumavam à baixa, continua a ser um ponto central da cidade. As obras que decorrem (já referidas anteriormente) esventraram-na (esperemos que depois tudo seja reposto), mas mesmo assim não lhe retiraram a beleza.
No centro, esculturas de Roque Gameiro, o Monumento aos Mortos da Grande Guerra. A escultura central é de uma mulher que, segundo uma lenda que aqui corre, matou uma grande cobra que vinha aterrorizando a população. Segundo essa lenda, a cobra morreu ao mergulhar numa panela de papas a ferver que a mulher trazia à cabeça. Veja-se a "dita cobra" aos pés da mulher.
Em frente à estátua, a estação de caminhos de ferro - CFM. Este edifício foi desenhado em 1910 pelo Eng. Gustave Eiffel (o mesmo da Torre Eiffel em Paris e da ponta D. Maria no Porto!) e mantem-se muito bem conservado.O monumento visto de dentro da estação
À volta da base do monumento esculturas que destacam os locais, no Norte de Moçambique, onde se registaram grandes combates: Mecula, Quivambo, Nevala e Quionga.Voltando à estação eis a cúpula central em metalEntrando na estação, uma das garesUma das primeiras máquinas a circular em Moçambique (esta pertenceu aos C. F. de Gaza)...Quem viu o filme Diamante de Sangue (Blood Diamont), não reparou numas cenas aqui filmadas?Vista para a Praça, vendo-se ao centro o prédio com a característica parede revestida de seixos, em cujo rés do chão, na esquina, existia uma bomba de gasolina.E finalmente as obras...
Ir para o Índice .

4 comentários:

Anónimo disse...

O meu comentário será sobre toda a reportagem aqui apresentada de forma fotográfica e bem descrita. É uma beleza Moçambique. Seja Maputo, Bilene, etc. etc.
Muitos parabéns e obrigado pela mostra.
João Azevedo

Era uma vez um Girassol disse...

Desconhecia a história da estátua na praça Mac-Mahon.
Interessante...
Mulher forte, linda!
Mais um abraço

Djailoss disse...

Gostei da reportagem, ela reflecte o explendor da praça em beleza

RÉGIS DA PENINA disse...

Este artigo testifica a necessidade de se galvanizar o estudo e difusão da História Pública de,e, em Moçambique.